• Imagem 4

Natal em Orlando: UNIVERSAL STUDIOS – Luz, câmera e diversão!

Universal Studios

O segundo parque dessa trip a Orlando é um dos meus favoritos: o Universal Studios

A alma do Universal Studios Orlando é o cinema e a televisão. O parque, dedicado ao mais antigo estúdio de Hollywood, é uma perdição para aqueles que cresceram aprendendo a amar a telinha e a telona, onde clássicos e sucessos de bilheteria tornam-se realidade para seus visitantes.

A ansiedade já toma conta da gente ainda antes mesmo da entrada no parque quando paramos em frente à famosa esfera símbolo da Universal. Impossível não parar para tirar fotos. E logo mais a frente ainda tem o grande portal que dá acesso às bilheterias e catracas. Ingressos na mão, hora de começar a diversão!

Universal Studios Shrek 4D

O Universal Studios é dividido em 6 partes: Production Central, Hollywood, Woody Woodpecker’s Kidzone, World Expo, San Francisco, New York e o novíssimo The Wizarding World of Harry Potter – Diagon Alley! Para mais detalhes sobre quais atrações ficam em cada área, basta dar uma olhadinha nesse mapa! Não entre no parque sem um, pois ele é fundamental tanto para obtenção de informações quanto para o planejamento do passeio. Há também a versão para smartphones, que, além do caminho das atrações, nos mostra o tempo médio de espera para cada uma delas! À medida em que também formos falando das atrações, vamos situando-as no parque. 

O Universal não é tão grande, então, se ele não estiver extremamente lotado, dá para fazer facilmente em um dia sem correria. Nessa visita, a gente deu bastante sorte, o parque estava bem tranquilo e quase não pegamos filas, mesmo estando a poucos dias do Natal. Bem diferente de quando fomos pela primeira vez, em 2009, no mês de agosto. Naquela ocasião estava bem cheio e ficou um pouco corrido, mas mesmo assim conseguimos fazer tudo o que queríamos. Há a opção de comprar o “fura-fila”, o Express Pass, mas confesso que achei desvantajoso o custo x benefício. Se o parque está vazio, ele é barato, mas não ajuda muito. Se o parque está cheio, ele pode custar mais do que a própria entrada. Nesse post, falo um pouco mais das opções de ingressos e como comprá-los.

Let’s start the ride!!! Tem diversão e aventuras para vários gostos e idades!

Após da uma passadinha rápida pelo CityWalk e dar aquela parada obrigatória em frente à famosa bola giratória símbolo do Universal Studios, hora de cruzar os portais do parque e começar a aventura.

Primeira parada foi no Shrek 4-D, atração do ogro mais querido da galera. O 4-D nada mais é do que um cinema 3-D, com a adição de algumas sensações como cheiro, tato e movimento. É bem legal. O filme é bem divertido e tal, mas para mim o grande barato é a estorinha que é contada na sala de espera. Muito engraçada!

Saindo de lá, Shrek, Fiona e o Burro estavam esperando a gente para uma sessão de fotos. Como resistir, né? Não dá. Poucos passos à frente, foi a vez de encontrar Salsicha, Scooby e a Mistery Machine. Mais cliques! E do outro lado da rua, o super Homer Simpson. Hehehe! Nem preciso falar que tentei tomar uma Duff com ele, mas o gorducho não me deu muita bola.

Universal Studios Personagens


Já estávamos rumando para a próxima área do parque, mas uma música chamou a  nossa atenção e resolvemos deixar nossos ouvidos nos guiar. O que era? Uma mini parada com os personagens do filme Meu Malvado Favorito. Muito Divertido. Os minions são demais. Aliás, todos eles são. Era o que faltava para esquentar!!

Universal Studios Despicable me

Dali, demos um pulo rápido no Woody Woodpecker’s Kidzone só para passear de bicicleta com o E.T. até seu planeta natal, andar com a filha mais nova na mini montanha-russa do pica-pau e tirar umas fotos e comprar badulaques na loja do Bob Esponja.

Universal Studios Pica Pau

Em seguida, fomos à minha área favorita do parque: The Simpsons!! E sem perder tempo, fomos correndo para o The Simpsons Ride porque a fila lá não costuma ser pequena. Ele simula uma volta maluca de montanha-russa em que acontecem coisas estranhas após o Sideshow Bob assumir o seu controle. Numa antessala, a gente assiste a estória que vai levar a essa situação. E quer saber de uma coisa? Apesar de estarmos numa sala fechada, num carrinho a poucos centímetros do chão, a emulação gera uma adrenalina monstra. É viciante o brinquedo.

Universal Studios Simpsons

Saindo de lá, uma parada para tomar um refrigerante, brincar uma pouco naqueles jogos que dão souvenires aos ganhadores e partir para o Fear Factor Live que a ação já estava quase para começar. Não esquecendo que tivemos que chegar com uns 15, 20 minutos para garantir lugar na arquibancada.

O Fear Factor Live é um show ao vivo em que os participantes, escolhidos dentre visitantes do parque que se voluntariam, competem entre si em atividades que desafiam a coragem de cada um deles. Os nossos 6 heróis (não resisti) têm de enfrentar, dentre outras coisas, escaladas, explosões, ficar pendurado no alto da edificação e bichos asquerosos. Os mais arrojados e resistentes vão passando para as fases seguintes até grande a final que definirá o grande campeão.

Confesso que não me empolguei demais com a atração, mas ela é bacana. Diria que é uma boa forma de dar uma descansada do bate-perna assistindo o show. Mas já aviso: se não gosta de barulho e nem ter estômago para ver pessoas comendo algumas coisinhas diferentes, tipo vitamina de barata e minhoca, esse espetáculo não é para você.

Universal Studios Fear Factor Live

Hummm deu fome essa conversa. E como já estávamos entrando tarde a dentro, paramos para comer alguma coisa no Louie’s Italian Restaurant, especializado em massas rápidas e sanduíches. Não é nenhuma alta gastronomia, mas tem bons preços e agilidade que era o que precisávamos naquele momento. Então o almoço foi ali mesmo.

Estômago forrado, hora de fazer umas coisinhas mais leves tipo assistir uma parada aqui, tirar fotos com personagens ali, ver uma apresentação dos The Blues Brother, porque os momentos finais no parque reservam fortes emoções.

Universal Studios The Blues Brothers

Depois da leseira pós-almoço, hora de colocar um pouco de adrenalina na programação.

Primeiro, um pulo no Twister… Ride it out, atração do filme de mesmo nome, lá da década de 90, com a Helen Hunt, sobre cientistas que caçavam tornados para suas experiências científicas. Lá dentro, depois de assistir um filme a respeito de tornados, somos convidados a vivenciar os efeitos de um passando por um vilarejo. De início pode parecer chato, mas não é tanto assim. Tem vaquinhas voando, postes caindo, carro pegando fogo e bastante chuva. Aliás, se ficar muito na frente é capaz até de sair molhado de lá. Legal e nostálgico. 

Subindo um degrau no nível de emoção, fomos na monta-russa temática Revenge of the Mummy sobre aquele filme meio tosco de múmias com Brendan Fraser (aliás, para quem não sabe, me amarro em tosqueiras). Apesar de não ser muito grande, essa coaster é bem legal, tem umas subidas e descidas bem rápidas e interage bastante com a estória do filme. Tem múmias e escaravelhos à vontade. E como ela é num ambiente fechado, não tem aquele jeitão de montanha-russa, quem sabe você pode fazer o que eu fiz: levei minha filha mais nova falando que era apenas um trem-fantasma. Hehehe. Confesso que foi maldade. 

Universal Studios The Revengeof the Mummy

Por mim, a emoção tinha parado por aí, mas… quem manda dar corda para adolescente. Minha filha e a amiga me empurraram Hollywood RIP Ride Rockit adentro. Para quem não sabe, a RIP é a maior montanha-russa do parque, tem uma subida em 90º equivalente a um prédio de 17 andares e seu carro atinge 105 km/h. Moleza, não?! Eu nunca que iria num troço daquele, mas acabei cedendo à pressão. E para piorar o controlador me fez ir no banco da frente porque tinham duas crianças que não podiam ir separados. Então eu fui, né, fazer o que?!

Universal Studios Rip Ride Rockit
E esse rapaz com cara de paisagem na foto?! Ohh raiva!! kkkkkkkkkkkkk

Entrando no carro, suando mais que gelo no sertão, dei uma relaxada escolhendo a música que ia me acompanhar durante o percurso. Adorei a ideia. Dentre vários estilos de rock, escolhi a sugestiva “Bring me back to life”, do Evanescence. Segundo depois, lá estava eu gritando e cantando ao mesmo tempo. Coisa de doido aquilo. Mas, sabe de uma coisa, foi ótimo. Depois disso, fui em todas as outras montanhas dos parques seguintes. Perdi o medo geral. Sai de lá com as pernas tremendo, mas com o sentimento de missão cumprida. E no final, enquanto a gente se recuperava, a gente pode assistir e comprar o vídeo com a nossa volta. Eu não ia comprar, pois não é muito barato, custava cerca 20 dólares, mas não aguentei. Depois de assistir a prévia no totem, não conseguir parar de chorar de rir das minha caras e bocas. O resultado é esse aí:


Depois de recuperadas as forças, hora de para acompanhar a Macy’s Holiday Parade, a reprodução da famosa parada de Natal da Macy’s, só que agora com a inserção dos personagens dos estúdios Universal. Divertida, mas nada demais. Abro um parêntese para aproveitar e comentar como é o Natal no parque. E falo agora porque a lembrança data se resume à parada, que só ocorre por ocasião das festas natalinas e um grande árvore que fica na região de New York do complexo. 

Universal Studios Macy's parade
Universal Studios Natal

A última atividade do dia no Universal Studios foi no Despicable Me Minion Mayhen. Assim como o The Simpsons Ride, o Minion Mayhen é uma simulação de realidade em 3-D. A gente é transformado em um Minion e é transportado para seu mundo para participar de um treinamento. Nem preciso dizer que é confusão na certa. É muuuuuuito legal. Que gosta dos pequenos amarelos vai se amarrar nessa atração. E para melhorar ainda mais, na saída, antes de chegar na lojinha, somos recebidos por um grupo de minions que dança, brinca e interage um bocado com a gente. Sensacional.

Universal Studios - Despicable me - Minions

Já não nos restava mais muito tempo, o parque já ia fechar. Então, fizemos umas comprinhas e fomos atrás de um bom lugar para acompanhar o grand finale: Cinematic Spectacular – 100 years of Movie Memories. Como o próprio nome diz, o show é espetacular. Ver a história do cinema recontada sob a ótica do Universal Studios é um convite a reviver todas as nossas lembranças ligadas ao cinema. É emocionante.


Terminada a queima de fogo que segue o show, fomos de volta para o CityWalk comer alguma coisa antes de ir embora. Parada certa nas nossas passagens pelo Universal Studios é o Hard Rock Cafe. Somos fãs do restaurante. Além do preço ser bom, a comida e os drinks são ótimos e o ambiente é super descolado e agradável. Recomendo.

Universal Studios Hard Rock Cafe

Além das atrações que visitamos, há outras que pulamos, ou por já termos visitado na outra vez ou por não ter conseguido conciliar tempo x interesse, mas vale a pena conferir. No mapa tem a lista completa e aqui tem bastante detalhes de cada uma delas. Vai que algum outro interessa a você. E, claro, não esqueci da nova ala dedicada ao bruxinho mais famoso do mundo: Harry Potter. É que, quando fomos, ela ainda não estava pronta. Vai ficar para a próxima vez.

Acabou, hora de dar tchau, ou melhor, desligar a TV. 

O que você precisa saber sobre o Universal Studios:

Como chegar e estacionamento

Se vocês tiver em um dos hotéis do complexo Universal, você pode chegar de water taxi. Já se você estiver fora e de carro, encontrar o parque não será problema, pois a sinalização em Orlando é excepcional. O Universal Studios fica na Universal Boulevard que, por sua vez, é cortada pelas duas principais avenidas da cidade: a International Drive e a Interstate 4 (I4). Não tem como se perder. Para facilitar um pouco mais, o Universal fez um pequeno guia de como chegar no parque partido de vários pontos da cidade. Para acessá-lo, clique aqui (em inglês). Mas qualquer coisa, só chamar um táxi. Ou quem sabe o seu hotel possui transfer para os parques. Vale conferir com na recepção.

O estacionamento é pago e custa 17 dólares. Se você resolver ir só à noite, após às 18h para curtir o CityWalk, o valor é de 5 dólares. Após as 22h, é de graça. Não esqueça de memorizar o setor onde deixou seu carro, pois o estacionamento é bem grande. Os setores são nomeados com personagens do Universal Studios, acompanhados de um número!

Horário:

O Universal Studios funciona todos os dias do ano. Porém o horário de abertura e, principalmente, o de fechamento varia de um dia para o outro. Para conferir esses horários no dia que planeja ir, basta conferir nesse link

No Universal, não há aquelas horas a mais antes da abertura ou depois do fechamento para as pessoas hospedadas em seus hotéis, assim como ocorre na Disney. Porém, para a nova atração, o Wizarding World of Harry Potter, os hóspedes do complexo têm o direito de entrar uma hora antes de todo mundo para curtir a novidade. 

Já o CityWalk, área de entretenimento e gastronomia do complexo Universal, funciona também os 365 dias do ano, de 11 da manhã às 2 da madrugada. Ou seja, depois de curtir o parque, se ainda tiver pique, a gente pode cair na balada. Ou, simplesmente escolher um bom restaurante e relaxar um pouco. Para conferir todas as opções que o CityWalk dispõe, só clicar aqui (em inglês).

Compra de ingressos:

No post “Natal em Orlando – Comprando ingressos para os Parques da Universal, Sea World e Bush Gardens“, eu conto com detalhes o processo de compra dos ingressos. Basta clicar aqui

Atrações:

As atrações do Universal Studios que considero imperdíveis são::

The Wizarding World of Harry Potter; The Simpsons Ride; Despicable Me Minion Mayhem; Shrek 4D; Revenge of the Mummy; E.T. Adventure; Rip Ride Rockit; Cinematic Spectacular 

Para saber detalhes sobre todas as atrações do Universal Studios, basta clicar aqui.

 

Lojas e compras:

Os parques sabem muito bem aproveitar nossa empolgação, então o que não faltam são lojas. Geralmente tem uma vinculada com cada atração e uma infinidade de produtos que a gente vai acabar comprando. Para não ficar com as mãos cheias de sacolas, nem ter que voltar no carro ou no hotel, o Universal disponibiliza serviço de entrega. Se está hospedado em um dos hotéis do complexo, basta mandar entregar no seu quarto. Não tem custo. Se não, podemos pedir para mandarem as sacolas para entrada do parque. Aí, ao sair pegamos tudo! 🙂

Universal Studios Lojas

Express Pass

O Express Pass é o sistema oficial fura-fila dos parques do Universal Studios. Porém, diferentemente do Fastpass da Disney, ele é pago e pode ser adquirido juntamente com o ingresso na hora da compra deste ou separadamente caso decida por ele depois. Seu valor é variável e muda de acordo com o dia da semana. Geralmente, naqueles dias em que a expectativa de lotação do parque é maior, o valor é mais alto. Os valores começam em US$ 40, para um parque só, mas pode chegar a US$ 100, caso inclua os dois parques e ainda retire a limitação de um uso por cada atrativo. Nas semanas mais concorridas, como a de Natal e Ano Novo, os valores começam em US$ 80 e podem chegar a US$ 120.

A pergunta é: vale a pena?

Vai depender. Se o parque estiver vazio, provavelmente não, pois dificilmente haverá fila. A gente foi num dia com esses e a fila do Express e a normal andavam no mesmo tempo. As duas situações que acredito que possam fazer a compra ser justificável são a de parque muito cheio e a realização dos dois parques, o Universal e o Islands, no mesmo dia. Aí ter um Express Pass é fundamental, especialmente para a segunda.

As atrações do Universal Studios que aceitam o expressa Pass são:

The Simpsons Ride; Despicable Me Minion Mayhem; Shrek 4-D; Revenge of the Mummy; Transformer’s: The 3-D Ride; Beetlejuice’s Graveyard Revue; Disaster!; TWISTER…Ride It Out; Fear Factor Live; Men in Black Alien Attack; E.T. Adventure; Animal Actor’s on Location! A Day in the Park with Barney; Woody Woodpecker’s Nuthouse Coaster; Rip Ride Rockit

Dicas de ouro:

A primeira é muito interessante e não é muito divulgada. Na Disney, eles têm o Disney Photopass que é aquele cartão onde são armazenadas suas fotos que são tiradas pelo pessoal do staff do parque. Na Universal, não tem um sistema igual, mas tem algo semelhante. Em várias atrações, há a possibilidade de ao sair comprar um foto tirada de você enquanto brincava nela. Cada cópia custa em média 10 dólares. Só que eles têm um pacote em que você pode pegar todas as suas fotos tiradas no parque. E não só no Universal Studios. Se você for ao Islands of Adventure, as fotos tiradas lá também estarão inclusas (exceto as tiradas nos parques do Harry Potter). E tudo isso por 40 dólares. Sai muito mais em conta. E eles não saem oferecendo isso a torto e à direita, não. No meu caso, só ofereceram porque eu não quis comprar uma foto no Revenge of the Mummy. Aí, eu já ia saindo e o cara me fez a oferta. Então, vale a pena pedir, viu!

O CityWalk tem atrações bem legais, mas vale lembrar que ela também funcionam à noite. Então, a dica é não se distrair com os encantos de lá e rumar direto para o parque. Na saída, você curte com mais calma (se as pernas aguentarem, rssss).

Por último, essa é para os que adoram refrigerante: os parques do complexo Universal vendem uns copos grandes da Coca-cola que dão direito ao refil da bebida, uma enchida a cada 10 minutos, durante 24 horas. A gente só tem que comprar o copo que custa 12,99 dólares mais as taxas.

E assim que foi nosso dia no Universal Studios! 🙂 Se eu esqueci de alguma coisa, nos pergunte nos comentários. Será um prazer responder a vocês. Confira também, nossos outras matérias sobre Orlando! Até o próximo post!

About Wesley Andrade

Viajante e escritor do blog Vividas Boas. Não perde a oportunidade de entrar em um avião para conhecer mais um pedaço desse mundo tão grande nessa vida tão curta. As estórias e as dicas acabam aparecendo aqui no blog entre uma viagem e outra.

2 Comments

  1. Pingback: Natal em Orlando: SEA WORLD – Explorando o Oceano! | Vividas Boas

  2. Pingback: Natal em Orlando: UNIVERSAL'S ISLANDS OF ADVENTURE - Adrenalina pura! | Vividas Boas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Seguro viagem geral 728x90