• dealform 728x90

Natal em Orlando: SEA WORLD – Explorando o Oceano!

Sea World

Apesar das grandes vedetes de Orlando serem os parques da Disney e da Universal, eu considero o Sea World como uma das melhores atrações da cidade. Inaugurado em 1973, o Sea World é dedicado à vida animal marítima, sendo uma mescla de zoológico e parque de diversões. Na minha humilde opinião, ele é um dos parques mais completos e interessantes justamente por oferecer uma variedade de programas que vai agradar aos mais diversos gostos.

Assim como os demais parques de Orlando, o Sea World é dividido em partes/setores. São 7: Sea of Shallows, Sea of Legends, Sea of Ice, Sea of Delight, Sea of Mistery, Sea of Fun e Sea of Power. Para mais detalhes sobre quais atrações ficam em cada área, basta dar uma conferir no mapa! Não entre no parque sem um, pois ele é fundamental tanto para obtenção de informações quanto para o planejamento do passeio, até porque o Sea World é enorme. Para percorrer muitas atrações será necessário um dia inteiro e um pouco de planejamento. Ainda bem que não são muitas as atrações que demandam espera na fila como em outros parques. Para aquelas que requerem um pouco mais de paciência, há a opção de comprar o fura-fila do Sea World, o Quick Queue Unlimited, que custa a partir de US$ 19 (valor pode ser maior se o parque estiver cheio). Para adquirir você pode adicionar quando estiver comprando on-line ou comprar na entrada do parque. Outro detalhe que temos que ficar de olho aberto é em relação aos shows. Como eles estão entre os principais atrativos do parque, eles lotam rápido, especialmente os da noite, então nada de deixar para ir para o local na última hora. Se quiser se garantir, tem a opção de pagar um pouco mais na hora de comprar o ingresso (US$ 14) e garantir seu lugar marcado nos shows. O que é também muito útil é o aplicativo para smartphones (IOS e Android) com diversas funcionalidades. Além do caminho das atrações, nos mostra o tempo médio de espera para cada uma delas, grava a localização do carro no estacionamento, dentre outras! Aqui no post, à medida em que também formos falando das atrações, vamos situando-as nos setores do parque.

Introdução feita, hora de nos lançarmos ao mar.

E nosso primeiros encontro marítimo foi com as arraias, aqui chamadas de Stingray. Assim que entramos no parque, a primeira coisa que vemos é a suntuosa montanha-russa Manta, cujos carrinhos tem formato de uma arraia. Virando à esquerda que nos deparamos com o Stingray Lagoon and Feeding, um tanque com diversas arraias, onde podemos tocá-las e alimentá-las. Quer dizer… quem tem coragem, já que nem todo mundo encara encostar a mão nela.

Aumentando um pouco o tamanho do animal a ser alimentado, passamos ao tanque dos Golfinhos, o Dolphin Cove and Dolphin Encounter. Nele, podemos ver os golfinhos de longe, sem interação, no tanque como se fosse num zoológico. Ou… podemos abrir a carteira e ter uma experiência mais intensa com essas criaturas adoráveis. Por US$ 15, temos a chance de ficar de 3 a 5 minutos com eles e até tocá-los. Quando fomos, podíamos alimentá-los também. Nos davam alguns peixes e servíamos a iguaria aos primos do Flipper. No site, quando pesquisei sobre a atração para me atualizar, vi que eles não citam mais essa possibilidade. Se não tiver mais é uma pena. Já por US$ 45, a experiência é bem mais completa e duradoura. Trata-se de um tour de 1 hora com direito até a aprender a linguagem dos golfinhos. A gente fez só a mais simples e já foi um grande barato. Ainda na terra dos golfinhos… ops no mar dos golfinhos, ainda tem o Dolphing Underwater Viewing. Quando saímos da região do tanque, podemos entrar num local que nos leva para as galerias com paredes de vidro que ficam abaixo dos tanques dos golfinhos. De lá, podemos vê-los de forma “mais natural” nesse seu habitat construído e as interações entre os próprios animais.

Vídeo de nossa primeira visita ao Sea World com detalhes dos tanques dos Golfinhos, Arraias e Peixes-boi

Ao sair de lá, fomos ao nosso primeiro show do dia: o Blue Horizons. Ele acontece no Dolphin Theater em diversos horários, pelos menos 4 vezes ao dia. Para checar o horário do show no dia da sua visita basta consultar nesse link. O espetáculo dura cerca de 20 minutos e envolve acrobacias, golfinhos e aves tropicais. É indescritível com palavras. Só assistindo para saber o quão lindo e maravilhoso é o show.

Show Sea World Golfinhos

Depois do show, hora de partir para ver uns animais um pouco mais intimidadores no Shark Encounter. Só que o encontro com os tubarões não é colocando peixinho na boca e passando a mão na cabeça não, hehehe. No Shark Encounter, estamos debaixo de enormes tanques de vidro, assistindo a vida desses perigosos predadores marinhos. E não há só tubarões nesse gigantesco aquário. Há muitos peixes, corais… é uma ampla de um habitat marinho.

Tubarões Sea World

Após ver um dos mais ferozes predadores marinhos, deu fome. Então fizemos uma parada para comer no Voyagers Smokehouse BBQ, onde reinou a costelinha de porco defumada e o molho barbecue. Mas sem demorar muito, porque…

Porque já estava em cima da hora de mais um show. E de uma das estrelas do Sea World, a Shamu. Vou abrir um parênteses aqui. Shamu é o nome dado a não uma só baleia, mas a algumas das baleias orcas símbolo do Sea World. E o  estádio onde ocorrem os shows chama-se Shamu Stadium. Fechado o parênteses, vamos ao primeiro show das Shamu do dia, o One Ocean. Se o show com os golfinhos e as aves já nos tinha encantado, esse nos deixou sem fôlego. As acrobacias das baleias, as coreografias com os treinadores, as jatos de água na plateia, a música, o enredo da estória, tudo leva ao êxtase e à emoção. Sen-sa-cio-nal!!! De bater palmas de pé no final. E olha que… ops nada de spoilers!!!

Sea World One Ocean Show

Saímos do Shamu Stadium e fomos colocar um pouco de adrenalina no sangue!

O Sea World tem três atrações bem legais para aqueles que gostam de apimentar a visita ao parque com uma emoção a mais. São duas montanhas-russas: a Kraken e a Manta; e uma ride com uma grande queda no final, a Journey to Atlantis. E claro que fui nos 3.

O Journey to Atlantis é uma atração bem molhada. A bordo de um barco partimos por uma jornada pela cidade perdida de Atlantis e seus mistérios. E depois de passar por sereias cantantes e seres do mar alegrinhos, a bagaça fica meio dark até que somos expulsos de lá numa queda de 18 metros. Mas não acabou ainda. Depois da calmaria, ainda passamos por outro espiral, estilo final de montanha-russa. Mas ainda tem mais. Já molhados da queda, ainda tem a galera que fica nas pontes atirando em nós com os canhões d’água para que tenhamos uma experiência mais real e bem encharcada. E não são seres desavisados que estão passando e resolvem divertir-se molhando os outros não. São seres maléficos que pagam 25 cents pelo simples prazer de molhar o próximo.

As outras duas são duas montanhas-russas bem punks. Como eu já tinha ido na R.I.P. do Universal Studios e na do Hulk no Islands of Adventure, achava que nada poderia ser pior. Encarei de boa. A Kraken até foi tranquila apesar dos loops insanos que ela tem. Fui até duas vezes, pois a amiga da filha quis companhia para ir quando criou coragem. Já a Manta, ahhh a Manta. O que de fora parece um suave flutuar de uma arraia, esconde uma das montanhas-russas mais alucinantes que andei. Já começa quando você está lá sentado no seu assento e ele simplesmente te vira de cara para o chão. Daí pra frente é só grito e maluquice. Parece se ter uma ideia, a primeira queda, a gente desce de cabeça para baixo. Muito louco. Mas muito bom.

Sea World Manta

Além dessas atrações mais intensas, há duas rides mais leves, baseadas na realidade virtual. São elas o Wild Atlantic Ride, uma viagem de helicóptero pelo pólo norte para explorar as paisagens geladas e os animais típicos da região; a outra é o Antarctica: Empire of the Penguin, que por sua vez explora o pólo sul, terra dos pinguins. Em ambas as atrações, além das rides, podemos ver animais como belugas e pinguins. Dessa última vez que fomos, não fizemos as rides porque estávamos sem tempos, mas da primeira vez que fomos ao Sea World, fizemos a parte de visitação ao animais e recomendamos muito.

Pronto, exame cardíaco posto à prova, vamos ao clímax do dia, ao show mais esperado do Sea World no Natal: o Shamu Christmas – Miracles. Se eu já tinha achado o One Ocean sensacional, o Miracles foi muito especial. O clima de natal, as músicas, o fato de ser o último dia em Orlando, tudo culminou para trazer uma sensação diferente, tocante, diferente de tudo o que já tinha visto e sentido nos parques da cidade. Incrível. Se quiserem ter uma ideia de como foi, fiz um vídeo do show.

Como celebração de Natal ainda há no Sea World o Winter Wonderland on Ice, um show de patinação no gelo, aparentemente muito bonito, mas não chegamos a tempo do seu início e vimos só um pedacinho, de longe. Ficou para a próxima vez que formos lá na época do Natal.

Só nos restou os fogos que nos acompanham à saída do parque após um mais um dia especial no Sea World.

Parque Sea World Natal

O que você precisa saber sobre o Sea World:

Como chegar e estacionamento

A entrada para o estacionamento do Sea World fica na Central Florida Parkway, logo depois da intersecção desta avenida com a conhecida International Drive. Neste link, você pode conferir todas as coordenadas para chegar facilmente ao Sea World estando de carro próprio. Não tem como se perder. Qualquer coisa, só chamar um táxi. Ou quem sabe o seu hotel possui transfer para os parques. Vale conferir com na recepção. O estacionamento é pago e custa US$ 16.90. Como o estacionamento fica um pouco longe da entrada, tem um carrinho que nos leva até a entrada do parque.

Horário:

O Sea World funciona todos os dias do ano. O horário de abertura é às 9 da manha, porém o de fechamento varia de um dia para o outro. Para conferir esses horários no dia que planeja ir, basta conferir nesse link. Nesse mesmo link, você pode conferir outra coisa muito importante no Sea World: os horários dos shows. Como eles são parte fundamental do parque, vale a pena ficar atento aos seus horários.

Compra de Ingressos:

No post “Natal em Orlando – Comprando ingressos para os Parques da Universal, Sea World e Bush Gardens“, eu conto com detalhes o processo de compra dos ingressos. Basta clicar aqui

Atrações:

As atrações do Sea World que considero imperdíveis são:

Manta; Kraken; Journey to Atlantis; Antarctica: Empire of the Penguin; todos os shows no Shamu Stadium (variam de acordo com a temporada); as experiência de observação com os animais aquáticos como golfinhos, tubarões, orcas, belugas, pinguins, etc.

Para saber detalhes sobre todas as atrações do Sea World, basta clicar na página oficial do parque.

Lojas e compras:

Assim como todo e qualquer parque temático, o Sea World tem diversas lojas temáticas prontas para aprazer o desejo consumista de seus visitantes. E o Sea World é uma armadilha perfeita com todos aqueles bixinhos fofinhos de pelúcia. Segurem suas crianção, adolescentes e qualquer outra pessoa que adore animais ou saíra de lá com os braços lotados de sacolas e com a carteira falida. Uma dica para aplacar os gastos é dar uma passada no Shamu’s Happy Harbor. Lá tem várias “barracas” onde se pode ganhar pelúcias participando de brincadeiras e jogos. Algumas não são muito difíceis e outras garantem que se leve pelo menos uma pelúcia, pois se joga em grupo e o vencedor leva. Então é só colocar a mesma trupe para jogar juntos. 

Quick Queue Unlimited e Sea World Signature Show Seating:

O Quick Queue Unlimited é o sistema ura-filas do Sea World. Seu valor começa em 19 dólares, mas pode aumentar em dias muito cheios. Pelo que pesquisei, seu valor máximo pode chegar a 34, mas são bem raros os dias que isso acontece. O Sea World Signature Show Seating tem mais ou menos o mesmo princípio, mas como é para um show, ao invés de uma passagem mais rápida na fila, ele te garante um lugar marcado no show. Seu valor começa em 14 dólares e o mais alto que vi foi 29 dólares, também em raros dias. Para adquiri-los, o mais simples é adicionar no ato da compra, caso faça on-line. Ou você pode fazer isso na bilheteria. Eu recomendo a segunda opção, pois você pode avaliar direito a situação do parque e os seus horários no dia que for.

Mais uma vez a pergunta é: vale a pena?

Vai depender. Se o parque estiver vazio, provavelmente não, pois dificilmente haverá fila. E o Sea World não é um parque que costuma lotar, ainda mais ultimamente, pois tem havido algumas campanhas de ambientalistas contra o parque. Quando a gente foi mesmo, era época de natal, chegamos depois do meio dia e conseguimos ver 3 shows, andar nas 2 montanhas-russas e no Atlantis para se ter uma ideia. Mas, claro, ficou coisa sem fazer. Mas não foi culpa da fila.

As atrações do Sea World que aceitam o Quick Queue Unlimited são:

Manta; Kraken; Antarctica: Empire of the Penguin; TurtleTrek; Journey to Atlantis; Wild Arctic; Sky Tower.

Já os assentos reservados valem para quaisquer dos shows em quaisquer um dos estádios.

Um detalhe, perceberam como são poucas as atrações que aceitam o fura-fila. Pense bem antes de gastar mais por esse benefício, pois ele pode não ser tão valioso assim.

Dicas de ouro:

Primeira dica de ouro: explore bem o site do Sea World e veja tudo o que o parque oferece no período em que você pretende visitá-lo. O Sea World é um dos parques mais dinâmicos de Orlando, em que as atrações variam e há muita coisa que é sazonal. Shows podem mudar, atrações podem estar fechadas, eventos podem estar acontecendo, enfim, não deixe de ficar atualizado com as novidades na semana de sua visita. Como há versão do site em português, nem tem desculpa para não explorar todo o site.

Uma coisa que só o Sea World oferece é a experiência com os animais. E há alguns tours específicos e, claro, pagos separadamente e agendados em que se tem uma interação mais de perto com os animais e envolvendo aprendizado sobre eles. Aqui nesse link, você pode conferir algumas delas. 

Acho que consegui contar tudo o que vivenciamos no Sea World. Se ficou alguma dúvida, use a caixa de comentários abaixo e responderemos suas dúvidas com prazer.  

Sea World Natal

About Wesley Andrade

Viajante e escritor do blog Vividas Boas. Não perde a oportunidade de entrar em um avião para conhecer mais um pedaço desse mundo tão grande nessa vida tão curta. As estórias e as dicas acabam aparecendo aqui no blog entre uma viagem e outra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Imagem 4