• 1001 - 728x90

El Calafate – Saiba tudo sobre a Capital Nacional dos Glaciares

El Calafate é uma pequena cidadezinha encravada na província de Santa Cruz, no sul da Argentina, a cerca de 2500 quilômetros de Buenos Aires. O nome da cidade é derivado de um arbusto, abundante na região, que produz um frutinho azul, muito utilizado na produção de doces, geleias, licores, etc. Às margens do Lago Argentino, El Calafate se tornou um disputado destino turístico principalmente devido a sua proximidade das grandes formações de Glaciares presentes no Lago Argentino, o que acabou rendendo a ela o título de Capital Nacional dos Glaciares. É lá que está localizado o Parque Nacional dos Glaciares, porta de entrada para todos os passeios da cidade que envolvem essas maravilhas de gelo.


El Calafate
El Calafate, fruto que dá nome à cidade

Para quem não sabe, Glaciares são formações de gelo que têm o seu ciclo iniciado com o depósito de neve no topo das montanhas. À medida em que ela vai se acumulando, a pressão faz com que ela se comprima e se torne gelo; com o passar do tempo, o peso vai fazendo com essa massa de gelo vá descendo até atingir o solo, ou no caso específico de El Calafate, a superfície do Lago Argentino. Esse processo já dura milhares de anos e é contínuo.


El Calafate
Glaciar Spegazzini

Mas a cidade não vive só dos Glaciares. El Calafate é bem charmozinha, com uma arquitetura e artesanato bem peculiares a ela. Caminhar pela rua principal, a avenida del Libertador Gral. San Martín, e dar uma passadinha na feira de artesanato são programas indispensáveis. Recomendo também um passeio pelas margens do Lago Argentino. Muito linda a vista de lá. El Calafate também costuma ser usada base para a galera do trekking que quer dar uma chegadinha em El Chaltén, a pouco mais de 200 quilômetros dali, e em Torres del Paine, no Chile.

El Calafate
El CalafateEl Calafate
A cidade
 
El CalafateEl Calafate


Sobre a melhor época para visitar El Calafate, depende muito do gosto de cada um, mas de outubro a março (primavera e verão) não faz tão frio e os dias são mais longos. Além do que, no verão há passeios que não são oferecidos no período de inverno. Só para citar um exemplo, o Trekking chamado de Big Ice que consiste em uma caminhada de três horas sobre o Glaciar Perito Moreno só é oferecido no verão. No inverno, há apenas uma versão reduzida dele, o Mini Trekking. Eu fui no inverno e não me arrependi, mas fiquei bastante curioso para conhecer a região no verão. 

El Calafate
El Calafate

Para chegar em El Calafate, a forma mais simples é de avião. Há voos diários saindo de Buenos Aires, Ushuaia e Rio Gallegos. Porém, cada vez mais viajantes preferem percorrer a região de moto, carro ou até mesmo de ônibus para curtir melhor as belezas de lá. Caso vá de avião, fica uma dica: verifique horas antes da viagem se está tudo certinho no aeroporto e o se o voo foi confirmado, pois o clima na região do aeroporto é muito instável e propenso ao surgimento de névoa, o que acaba provocando o seu fechamento. Isso quando não é a neve que atrapalha. Eu mesmo tive esticar 3 dias em Ushuaia e reduzir minha estadia nos mesmos 3 dias em El Calafate por causa disso. Caso você faça como eu e vá de avião, a melhor forma de ir do aeroporto à cidade é de shuttle, pois custa menos da metade do preço de um táxi, visto que o aeroporto fica longe do centro (20 km). De táxi a corrida não sai por menos de 100 pesos cada trecho, enquanto o shuttle sai por 80 pesos, já inclusas ida e volta. Pelo que vi, há só uma empresa que presta o serviço, a VES Patagônia. Você pode contratar a empresa na hora da chegada ou já pode reservar pela internet  aqui.

El CalafateEl Calafate


Quanto à hospedagem, El Calafate conta com uma boa rede tanto de hotéis quanto de hostels. A maioria deles fica nas redondezas da avenida del Libertador Gral. San Martín. Se você quiser ficar perto do centro, dar uma caminhadinha à noite e aproveitar os bons restaurante da cidade, sugiro que fique próximo à essa avenida. Agora, se o hotel for só para descansar mesmo, você pode ficar mais longe um pouquinho, já que as empresas que operam os passeios da região costumam buscar você na porta de seu hotel.

Eu fiquei no Marcopolo Suites Calafate e confesso que me surpreendi muito positivamente. Como peguei uma super promoção pelo Booking e paguei muito barato na estadia (R$ 40,00 a diária), não esperava muita coisa. Mas, olha, o hotel é bem localizado, confortável, com wi-fi grátis, um bom café da manhã e o melhor: um atendimento excelente. Só para citar um exemplo do bom atendimento, eu cheguei no hotel por volta das 8 da noite e tinha que agendar um passeio para o dia seguinte, senão não conseguiria fazê-lo, já que só iria conseguir ficar dois dias na cidade; quando falei isso com o atendente, ele conseguiu contactar uma pessoa da agência, mesmo ela já estando fechada e me colocou no passeio para o dia seguinte. Até o lanche para eu levar, eles providenciaram. Como nem tudo na vida é perfeito, o único porém do hotel é que para ir e voltar da avenida San Martín, a gente tem de enfrentar uma escadaria com aproximadamente 100 degraus! Vendo pelo lado positivo, foi bom para melhorar a forma :). 

El Calafate
Ao fundo, a escadaria para chegar ao Hotel

Falando de gastronomia, não tive muitas experiências, apenas 2 jantares. Como os passeios que fiz duraram o dia todo, acabei não almoçando na cidade. Mas, as duas experiências que tive foram muito boas. A avenida del Libertador Gral. San Martín é repleta de restaurantes. Basta escolher aquele que aparenta ser mais o seu estilo. Eu fui ao La Lechuza, que serve pizza e pratos argentinos em geral. Comi um suculento bife de chorizo com uma cerveja Patagônia. Muito bom, a um preço justo e com um bom atendimento. No outro dia, fui a um bar/restaurante/café, o Pietro’s Cafe. Um ambiente bem descontraído e legal e que ficou mais interessante ainda por estar passando na TV de lá o jogão da Libertadores entre o Boca Juniores e o Newell’s old boys, com disputa de penalty e tudo. Voltando ao que interessa, recomendo experimentar uma milanesa que eles servem. Além de ser uma delícia, tem o tamanho da fome após um dia inteiro de caminhadas. Uma outra boa pedida da cidade é passar nas lojinhas que vendem doces, chocolates e licores, especialmente os feitos de calafate.

El Calafate
Licor de Calafate

Pronto, acho que consegui trazer um panorama do que eu achei de El Calafate. Nos próximos dois posts contarei como foi a Navegação pelo Lago Argentino e o Mini Trekking no Perito Moreno. Até lá!

About Wesley Andrade

Viajante e escritor do blog Vividas Boas. Não perde a oportunidade de entrar em um avião para conhecer mais um pedaço desse mundo tão grande nessa vida tão curta. As estórias e as dicas acabam aparecendo aqui no blog entre uma viagem e outra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Imagem 4